Sepé Tiaraju não esteve na vanguarda da rebeldia


Segue texto do professor e pesquisador Dr. Tau Golin, publicado em seu perfil pessoal no Facebook, criticando VT Promocional da RBS TV sobre Sepé Tiaraju, pela falta de assessoria histórica:


VT PROMOCIONAL RBS SEPÉ TIARAJU

A RBSTV está vinculando um VT naquele estilo patriótico “orgulho do Rio Grande” sobre Sepé Tiaraju. É impressionante como uma pequena peça promocional pode difundir tantos equívocos, erros primários que até as candidatas a primeira prenda de CTG conseguem identificar. Lasier Martins recentemente já foi colocado em saia justa em um programa da Rádio Gaúcha transmitido de Santo Ângelo, quando recebeu os mesmos dados para historiar o município e seu passado missioneiro. Vamos a confusão:

1. O VT inflama-se na evocação de Sepé como comandante geral da insurreição contra os exércitos de Portugal e Espanha. Ao contrário, Tiaraju não esteve na vanguarda da rebeldia. No início era alcaide do Povo de São Miguel. Depois foi eleito corregedor e, após o sonho de um menino, que relatou a aparição de São Miguel ordenando que não deixassem suas terras, passou à facção dos caciques rebeldes, abandonando a posição dos “obedientes”. Comandava unicamente a milícia miguelina e não o exército missioneiro, que não existia enquanto força unificada num comando central.

2. O VT propagandeia que Tiaraju morreu na batalha de Caiboaté. Não é verdade! Sepé morreu três dias antes, nas proximidades da sanga da Bica, na atual cidade de São Gabriel. O curioso é que os órgãos da empresa possuem acervos de eventos realizados em terras gabrielenses ao líder guarani.

3. O VT “informa” erradamente que os portugueses atacaram as Missões pelo Norte e os espanhóis pelo Sul. O redator sequer percebeu que tal “estratégia” teria um estranhamento com o detalhe de que os exércitos ibéricos atuaram unidos. Historicamente, os comandos dos exércitos ibéricos estabeleceram dois planos de guerra. O primeiro em 1754, quando marcharam separadamente. O espanhol-platino desde o sul (Buenos Aires e Arraial de Veras). O luso-brasileiro, desde a costa atlântica (Rio Grande), com a cavalaria pelo caminho de Viamão até Rio Pardo; a frota de sumacas e faluas pela lagoa dos Patos, Rio Guaíba e rio Jacuí. Concentraram no Passo do Jacuí. Os dois exércitos sofreram com as enchentes, em especial o espanhol-platino, formado equivocadamente por regimentos de cavalaria. As operações foram abandonadas, quando os comandos estabeleceram o “segundo plano de guerra”, aí sim com a junção das tropas nas cabeceiras do rio Negro, atual fronteira Brasil-Uruguai. A partir da união marcharam para as Missões. A partir de Santa Tecla até São Gabriel enfrentaram a guerrilha comandada por Tiaraju porque estavam em terras das estâncias do Povo de São Miguel, cuja sede mais expressiva era Santa Tecla, equivalendo um rancherio, com capela, e residências para capatazes, peões, etc.

Em 7 de fevereiro Sepé foi morto. Em 10 de fevereiro, aconteceu a batalha de Caiboaté. Os dois eventos ocorreram no atual município de São Gabriel.

4. O que surpreende neste VT é que a RBS, quanto aos fatos, não cometia mais tamanho equívoco, pois já vinha adotado um sistema de assessoria histórica, a exemplo das emissoras sérias do mundo, que certificava a sua programação quando enveredava no campo da história. Interpretação e sentido é outra coisa...

Postagens mais visitadas