Assim na terra - canções


É inverno no sul. Ontem o escritor Luiz Sérgio Metz teria feito 60 anos.

Os dois fatos juntam-se hoje no lançamento do novo disco de Vinícius Brum, grande nome do nativismo sul-rio-grandense. Pois o álbum propõe uma releitura da novela Assim na terra, de Metz, em forma de canções. E a ocasião mais apropriada para sua apreciação, de acordo com o professor Fischer, é a estação mais fria do ano.

Brum e Metz compuseram juntos parte do repertório do grupo Tambo do Bando, que marcou a cena dos festivais regionais do estado no final da década de 1980.

O livro foi editado em 1995, e no ano seguinte o escritor faleceu. Sua narrativa complexa intriga os estudiosos até hoje.


“...Mas o que realmente me ocorria era ter mais gente comigo, gente que pudesse iniciar uma hermenêutica do sul, com a calma acadêmica e o vigor dos demônios. Ainda dava tempo, nossa memória estava a céu aberto...” (fragmento do livro).

Eu destacaria na novela de Metz o uso das metáforas para descrever um mundo em transformação, quando o desenvolvimento das técnicas humanas invadia o campo lírico localizado num sul que ia sendo perseguido.

Vejo este trabalho de Brum como mais um sopro a plenos pulmões, para que a chama se mantenha acesa.

O disco teve produção de Guilherme Almeida (Pública), que tocou violões, baixo, guitarras e teclados, e participação de Luiz Carlos Borges (acordeon), Texo Cabral (flauta e harmônica), Marcelo Freitas (bateria e percussão) e Tuny Brum (vocais).


Não sei se poderei estar no lançamento hoje (4 de julho de 2012), na Livraria Cultura do Bourbon Country em Porto Alegre, com pocket show às 19h30min e sessão de autógrafos às 20h30min. Mas desde já guardo lugar especial para este disco em minha prateleira, ao lado do livro de Metz, que está localizado entre a velha coleção de “O Tempo e O Vento” (Érico Veríssimo) e a nova edição de “Contos Gauchescos e Lendas do Sul” (Simões Lopes Neto).

Postagens mais visitadas