Muamba não é e-commerce: o intercâmbio entre Sebastián Jantos e Mário Falcão


Há duas formas de comprar artigos produzidos no país vizinho. Primeiro, pode-se visitar uma loja virtual e encomendar. O pagamento será em crédito internacional e a entrega percorrerá, incólume, caçambas e depósitos estrangeiros e nacionais. Em um passe de mágica, materializar-se-á na porta de casa o que fora eleito na tela do computador. Apelida-se isto de e-commerce. A segunda exige experimentar um caminho, falar a língua local misturada à materna e, se não houver desistência provocada pelo ambiente, tirar do bolso umas notas cambiadas na fronteira. No retorno, pode-se assumir ter trazido muamba.

Pois no ir e vir, que começou via internet e se estendeu às estradas e ao espaço aéreo pampeano, os compositores Mário Falcão e Sebastián Jantos estabeleceram uma troca intensa de artigos. Agora não falando mais em comércio, mas em música. O brasileiro e o uruguaio vem intercambiando há uns cinco anos. Eles inclusive participaram do filme A linha fria do horizonte, mostrando seu exemplo de aproximação entre as músicas platinas de sotaques espanhol e português. O resultado, após parcerias e shows, agora está sendo materializado em disco. O nome: Muamba.

Leia aqui sobre o filme:
Linha Fria do Horizonte – há uma movida, no centro de outra história
Por que precisamos de uma movida?

As gravações já estão prontas. O álbum está em fase de masterização e deverá ser lançado no ano que vem. Há três faixas disponíveis no SoundCloud (escute aqui). Uma é Xote con Jazmines, já presente no repertório de Sebastián, registrada no disco Fui Yo. Agora ganhou arranjo novo com versos em português. Outra composição disponível é a inédita Taim, referência geográfica e ecológica do caminho que une os dois países. E por fim a espiritual Al Mar, que dá uma pista do que o disco promete. Pois uma onda trouxe até a areia, sob meus pés, umas informações lançadas ao mar dentro de uma garrafa, provavelmente de um barco de bandeira desconhecida. Soube assim que haverá uma canção cantada em iorubá e muita percussão afro. A tônica da africanidade, musical e religiosa, é uma constante nos trabalhos anteriores de Seba, que o distinguem na música uruguaia. Agora torna-se ponto de comunhão com o parceiro brasileiro.

Leia aqui sobre Sebastián Jantos:
Silbar depois da janta

Além das músicas que já podemos escutar, o disco terá a regravação de Curiosidades, presente no primeiro disco de Mário Falcão, premiado no Açorianos de Música 2005. O restante do repertório é composto de parcerias doble chapa. Os arranjos contam com muitas participações de músicos dos dois lados da fronteira, com destaque para o ícone do piano uruguaio, Hugo Fattoruso.

Bueno, enquanto não se pode incluir na muamba o CD, há uma chance de ver este trabalho de perto no próximo dia 7 de novembro, em Montevidéu (saiba mais aqui). Se não der pra fazer este caminho agora, esperaremos a volta em Porto Alegre em breve. Ou apelaremos a uma loja virtual.


Postagens mais visitadas