Cholas

La Paz
Elas são mais que índias. Mais que mulheres. Considerando o entendimento médio ocidental sobre as duas categorias.

As cholas são a cultura boliviana em trânsito. Agridem a parca percepção turística que tenta fotografá-las como souvenir.

Impossível resistir à tentação de colorir nossos registros de viagem com suas polleras (saias) e sombreros (chapéus), pois estão em toda parte, principalmente no comércio informal callejero (das ruas). Mas não brindam um sorriso aos paparazzi. Até se escondem e xingam os atrevidos.

Durante nossa estada na Bolívia neste início de ano, fiquei intimidado com a reação adversa delas frente às minhas investidas fotográficas. Demorei a entender e a me permitir ousar roubar-lhes a estampa.

Tiwanaku
As cholas são o que de mais evidente aquele país tem na construção de uma identidade latinoamericana híbrida contemporânea. Suas vestimentas remetem à moda colonial espanhola, agregadas dos tradicionais tecidos coloridos andinos. Com vestimentas herdadas do imperialismo, afirmam-se hoje paradoxalmente mais indígenas e independentes que nunca.

Carregam riqueza de detalhes na escolha das cores, comprimento das saias, posição e modelo de chapéus. Para o turista apressado, não passam de borrões de tinta, respingados por todas as cidades bolivianas. Mas com uma lupa, percebem-se as diversas texturas regionais.

O gesto a priori antipático de negar serem fotografadas transformou-se em minha percepção ao passar dos dias naquela terra. Começou a significar principalmente dignidade. O oposto à gratuidade e à leviandade.

Dizem que há motivos espirituais para as cholas hostilizarem os fotógrafos. Mas o que fica de mais importante não são suas razões, mas sua atitude. Seu simples “vender caro” o que lhes é mais seu, a aparência, acaba representando muito o posicionamento político-social boliviano atual, que elegeu o primeiro presidente indígena da América Latina.

Ao contrário do brasileiro receptivo que para lograr dividendos do turismo bajula demais os estrangeiros, arreganhando-se e dançando fácil, as cholas falam seu espanhol impregnado de sotaque de dialetos indígenas, de forma que temos que pedir para repetirem várias vezes até entendermos.

E a dificuldade em fotografá-las só contribuiu para que eu enxergasse além das suas efígies.

Postagens mais visitadas